Joias Mais Raras Do Mundo? Joias Raras Em Casa? [VOCESABIA]

Joias Raras:

1ª  Hope Diamond

 

Resultado de imagem para Hope Diamond

 

O Hope Diamond (Diamante da Esperança), cujo valor estimado é 194 milhões de Euros é fotografado entre o Heart of Eternity Diamond (Diamante do Coração da Eternidade, em português) à esquerda e o Blue Heart Diamond (Diamante Coração Azul) à direita. Peça foi encontrada na Índia cerca de 370 anos atrás e foi vendida ao Rei Luís 14º, da França, em 1668. Desde então, a jóia passou a ser chamada de French Blue e permaneceu na coleção da realeza francesa por cem anos.

 

2ª Diamante Rosa Intenso

Resultado de imagem para diamante Rosa Intenso

 

Empregado da casa de leilões Sotheby’s segura o diamante rosa de 24,78 quilates, confeccionado sobre um anel, que foi visto pela última vez no mercado há cerca de 60 anos.

 

3ª Diamante Wittelsbach

Resultado de imagem para diamant Wittelsbach

Arrematado na casa de leilões Christie’s em Dezembro de 2008, o diamante Wittelsbach custou 19 milhões de Euros ao comprador.
O rei Philip 4º da Espanha entregou a jóia à filha, a Infanta Margarita Teresa, em 1664 como parte do seu dote.

 

4ª The Perfect Pink

 

Resultado de imagem para The Perfect Pink

 

O Perfect Pink tem 14,23 quilates, tinha preço estimado em 15 milhões de Euros e foi arrematado por um comprador anónimo por 18 milhões de Euros em 29 de novembro de 2010, em Hong Kong.  Em quase 250 anos de história do leilão de jóias, apenas 18 diamantes com mais de dez quilates com o rosa intenso foi colocado em disputa, segundo a Christie’s.

 

5ª  Bulgari

 

Resultado de imagem para diamond Bulgari

Feito com duas pedras coloridas, que ficam sobre um anel, o Bulgari tem 9,72 quilates e data do início da década de 1970.
O exemplar foi arrematado por um coleccionador asiático, que não se identificou por 11 milhões de Euros em maio de 2010 em um leilão promovido pela Christie’s em Nova Iorque.

 

Como Sabe Se Temos Joias Raras Em Casa?

 

Redondas, quadradas, brilhantes ou gastas pelo tempo. As joias importadas remetem sempre para algo sentimental, quer tenham sido escolhidas ou herdadas, e o valor que lhes atribuímos depende muito do quanto gostamos (ou não) delas. Subjetividade à parte, todas têm um valor de mercado. E é precisamente esse o trabalho de Jessica Silli, perita em joalharia que trabalha na Sotheby’s desde 2012. A sua função é avaliar peças tendo em conta vários aspetos — como o metal utilizado, o estado de conservação das pedras e o seu corte — e pelas suas mãos já passaram dezenas de milhares de joias.

Jessica Silli esteve recentemente em Lisboa para, a mando da leiloeira internacional, avaliar os acessórios que os portugueses têm em casa. À conversa com o Observador, revelou algumas das características que tornam uma joia especial — e cara. Posto isto, perguntamos: quer saber se tem uma joia valiosa? Se sim, a perita mostra-lhe como.

Resultado de imagem para joias em casa

Investigue sobre o passado ou origem da joia, se foi, por exemplo, herdada da mãe ou da avó. Perceber isso é meio caminho andado para conseguir atribuir-lhe uma data, uma vez que dá-lhe uma noção do seu período — se tem 10, 20 ou 50 anos — e de quanto se gastou inicialmente.  Segure na joia para perceber mais facilmente qual o principal material em causa (se ouro ou prata, por exemplo).
Não há nada como manusear uma peça e senti-la, até porque não se pode fiar em fotografias (além de não darem uma noção real do acessório, podem alterar a cor natural das pedras preciosas).

Caso encontre o número “750” isso significa que se trata de ouro de 18 quilates, embora Jessica Silli relembre que o ouro, em si, não vale muito e que, estando cotado na bolsa, o seu valor oscila diariamente.  Dificilmente vai conseguir perceber isto em casa, mas Jessica Silli dá um exemplo: se for um colar de pérolas que uma pessoa tenha herdado da avó e que esteja na família há mais de 100 anos, o mais provável é estar perante pérolas naturais.

A qualidade das pedras preciosas, essa, deve ser avaliada por um gemologista — “Depende muito de onde vêm e, às vezes, é preciso trabalhar-se com laboratórios para conseguir outras informações e fazer o prognóstico.”

Caso a peça esteja assinada — imagine que em letras reduzidas se encontra escrito Cartier –, isso pode significar que é mais recente, do século XX ou XXI.
A título de curiosidade, a idade de ouro da joalharia remonta para meados da década de 1950, numa altura em que as grandes marcas tinham muita qualidade.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *